Sinto saudade de algumas coisas. De mim, principalmente. De como eu era. Mas acho que a gente se transforma, assim como a vida, assim como os dias. Tudo é aprendizado, tudo tem motivo. Essa certeza ninguém me tira. Tudo na vida tem explicação. Não sou de lamentar, tampouco conto minhas lamúrias dizendo que-foi-que-eu-fiz-que-cruz-é-essa-que-carrego. Não sou vítima da situação. Tem tanta gente sofrendo, tanta gente se estrepando, tanta gente guerreira, que encara a vida de peito aberto sem choro e sem sentir pena ao se olhar no espelho. Não tenho motivos para lamentar. Mas tenho muitos para agradecer.

Clarissa Corrêa. 

Preciso de alguém que me olhe nos olhos quando falo. Que ouça a minha tristeza com paciência e, ainda que não compreenda, respeite meus sentimentos. Preciso de alguém amigo o suficiente para dizer-me a verdade, mesmo sabendo, que posso odiá-lo por isso. Que teime em ser leal, simples e justo. Preciso de um amigo que me aceite como sou e que me ame de verdade.

Charles Chaplin.  

Sossega, tudo chega no tempo certo. Não te apressa, a vida se encarrega de trazer tudo que falta. Não desanima, os ventos fortes só surgem para mostrar como nossa base é forte. Não entristece, nem sempre o que você deseja é realmente o melhor para você neste exato momento. Não esquece de sorrir, um sorriso transforma muitas situações.

Clarissa Corrêa. 

As promessas foram quebradas,
e o meu coração também.
Mais uma vez.

Marcello Henrique. 

Estou saindo de férias, volto assim que me encontrar.

Martha Medeiros.  

E nessa de cuidar, vou cuidar de mim. De mim, do meu coração e dessa minha mania de amar demais, de querer demais, de esperar demais. Dessa minha mania tão boba de amar errado.

Tati Bernardi.

Me recuso a ser infeliz.

Caio F. Abreu.  

Não me agrada disputar atenção. Eu sempre vou ser a pessoa que perde, entende? A pessoa deixada, substituída, desinteressante. Não, isso não é complexo, não: é estatística. Tenho vida afora muitas provas disso e não reclamo, não interprete isso como uma reclamação. Apenas quero contar que jogo a toalha antes de entrar no ringue, por assim dizer. Jogo o meu corpo para o lado por conta própria antes de levar o soco e precisar de maca, remédios e recuperação. Já nem entro mais nas disputas; eu perdi o ar de tanto tentar.

Camila Costa. 

Eu não tenho medo de voar. Eu tenho medo de estar fechada num lugar e de ter escolhido estar fechada nesse lugar. Tenho medo porque meus pés sentem o chão mas ele é falso. Meus pés sempre me obrigam a sentir a verdade e eu sou obrigada a dizer a eles que aquele chão não dura e nem é de terra. Tenho medo do absurdo que é sorrir e dizer “guaraná normal e sem gelo, grata” enquanto se quer dizer “que merda é essa de estar voando se não sou a porra dum passarinho?”. Tenho medo porque quando acabar estarei em outro lugar. Agora, se eu pudesse escolher o maior de todos os medos, eu diria “a chance disso cair agora é muito pequena”. Estou sobrevoando, sem inteligência, a água profunda que aprendi a chamar de casa mas também de intervalo. A verdadeira angústia de voar é estar acima da nossa vida. Voar é tornar nossa rotina banal. Estou voando há dias, de primeira classe, com vista para o desenho de um país que não sei o nome. Ao lado de uma pessoa que, até que enfim, não é mais uma barrinha de cereal.

Tati Bernardi. 
hefck