Tô louca pra te ver chegar.
Aí você percebe que o que te prende na terra não é mais a gravidade, mas sim a pessoa que você mais ama.
Às vezes, eu mesmo tenho alguns problemas comigo. Sempre acho que ninguém me quer, que vou morrer sozinho, mas na verdade, eu não quero ninguém e quase sempre prefiro a solidão. Pertenço a alguém, mas não me pertenço ao todo. E tudo que eu queria, de verdade era alguém que não se importasse se eu faço chuva, ou se faço sol. Se sou muito quente, ou frio demais. Só quero que aguente minhas estações, mesmo que meu inverno dure mais que todas as outras. Que não se importe em esperar do lado de fora, enquanto eu tranco a porta do meu quarto e finjo que não tem ninguém lá fora, na chuva e com frio, me esperando. E quando enfim eu decidir sair, que não implique com meu sorriso forçado, simplesmente pode dizer que sentiu minha falta, ou algo assim, e fazer tudo ficar bem. Sentir-se bem com minha bagunça, sem tentar arruma-la. Porque eu sou assim, sou aquele calor de matar em meio ao inverno e a chuva que teima em cair enquanto o sol brilha forte. Sou as folhas que caem na primavera, e as flores que nascem no outono.
A culpa é mesmo das estrelas?   
Vontade de te esmurrar, te dizer que você é um idiota, um babaca, um cretino, um fraco, nunca passou disso. Nunca uma piada sua foi engraçada, nunca você me surpreendeu. Nunca. Mas eu não consigo deixar de pensar em você, a cada dia, a cada ato meu. E quando eu procuro outras pessoas, eu procuro imaginando você me vendo. E tendo ódio de mim. Porque eu quero que sinta ódio. Porque ódio significa alguma coisa, e é melhor que indiferença.
Tati Bernardi                       
Você foi o ilusão mais bonita que eu já tive.
— Derretendo Poeisa.  
De alguma forma ingênua tentamos culpar a vida, os acontecimentos, as pessoas e deixamos de olhar para dentro. Ei, se tudo é sempre do mesmo jeito tem algo errado com você. Mas sempre queremos um culpado externo. Ei, de vez em quando a culpa está bem tranquila na volta da lareira tomando um vinho dentro de você. Mas nunca tiramos aquele plástico invisível que nos deixa, de algum modo, protegidos de nós mesmos. A vida muda quando a gente muda, parece uma frase simples, mas não é, acredite.
Clarissa Corrêa.   
Mas acontece que eu já estou em estado de emergência, e ninguém percebe.
— Apenas Desconhecida. 
Sabe, Zé, eu tenho me sentido tão só. Você me disse que eu poderia conhecer pessoas novas e que isso me faria bem. Mas, Zé, não tem feito muita diferença não. Quando estou sozinho, me sinto só, quando estou acompanhado me sinto mais só ainda. Poxa, Zé! Acho que seus conselhos não me servem mais, eu não deveria ter seguido nem o primeiro. Lembra, Zé, quando você disse que me afastar de você seria melhor pra nós dois? Pois é, Zé, eu não sei para você, mas pra mim isso tá longe de ser verdade.
Cartas para Zé.  
— Saudades? — Saudades.
A culpa é de quem me abandonou.  
Eu peço que não me conte seus problemas agora. Engole esse choro só por hoje. Hoje eu não quero abrir a porta. Tô tão cansada. A vida me pregou uma peça que eu não esperava. E, nem demonstro muito, mas eu sou tão frágil. Então desculpa por ignorar suas mensagens hoje, e por não atender sua 3º ligação, mas eu preciso de um tempo. Preciso de silêncio. Detesto a escrita do Green, mas é verdade quando ele disse que a dor precisa ser sentida. E eu não vou me entregar a dor, mas quero viver esse momento, pra não ficar nenhum resquício desses dias maus quando o sol voltar a brilhar. Então, só por agora, me deixa ser ninguém. Esquece que eu sou abrigo. Eu não quero agora. Eu amo você, e me importo com o que passa, mas eu também me amo, e realmente preciso cuidar de mim. E me asfixia ter que enxugar lágrimas alheias, enquanto meu peito se recupera dessa pancada. Deixa só eu recuperar o ar. Não demoro, o sol já vem, eu posso ver da janela do meu quarto. Fica calado, tá? Aguenta a barra aí. Me levantei, mas ainda ando meio trôpega. Vejo a esperança de longe, e tô indo em direção a ela. Volto assim que me encontrar.
A menina e o violão. 
Me dê noticia de você, eu gosto um pouco de chorar, a gente quase não se vê, me deu vontade de lembrar. Me leve um pouco com você, eu gosto de qualquer lugar, a gente pode se entender e não saber o que falar. Seria um acontecimento, mas lógico que você some, no dia em que o seu pensamento me chamou; eu chamo o seu apartamento, não mora ninguém com esse nome, que linda a cantiga do vento; já passou. A gente quase não se vê, eu só queria me lembrar, me dê noticia de você, me deu vontade de voltar.
Chico Buarque                        
Estamos ligados de um jeito que eu ainda não entendo. E eu odeio quando sou incapaz de compreender alguma coisa.
Gabito Nunes.    
theme por: romanceais